Bufete de Informaciones Especiales y Noticias
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS (CNM/CUT) - BRASIL

Aqui é barato demitir, lamenta Sérgio Nobre

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sérgio Nobre, defende que o País adote uma política que defenda o emprego e os salários quando ocorrer algum problema na economia brasileira.

Informaciones de la CNM/CUT editadas en Rebanadas:

Rebanadas de Realidad - Brasil Metal Diário, São Paulo, 09/01/09.-

O que podemos esperar de 2009?

Raquel Camargo

Sérgio Nobre fala na assembléia diante da TRW, na quinta-feira (8)

A redução do IPI e as medidas adotadas pelo governo federal para não faltar crédito já começaram a surtir efeito, como mostra o aumento de 11,5% das vendas de veículos em dezembro.

Este é um sinal de que o Brasil pode atravessar bem esse período de crise e crescer os 4% previstos pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, o que é extraordinário diante das dificuldades que a economia mundial atravessa.

Quem apostar na crise vai perder, porque o setor automobilístico tem uma sazonalidade em que, historicamente, e os três primeiros meses do ano costumam ser fracos.

Por isso o primeiro trimestre desse ano deve ser difícil. Mas a partir do segundo trimestre a produção começará a se recuperar e assistiremos o bom desempenho do setor. Mesmo assim estão ocorrendo demissões, como na TRW.

Por quê?

Porque é muito barato demitir no Brasil. Até 1965, os trabalhadores possuíam estabilidade no emprego. Por pressão dos empresários esta lei caiu e foi instituído o FGTS, que permite trocar emprego por dinheiro.

A consequência imediata dessa financeirização do emprego foi a explosão da rotatividade. O movimento sindical tentou acabar com a banalização das demissões e pressionou a Assembléia Constituinte, em 1988, pelo retorno da estabilidade, o que não foi possível.

Como forma de desestimular a rotatividade, conseguimos que fosse instituída a cobrança de multa de 40% do FGTS para quem demite. Dois anos depois, porém, as empresas já haviam assimilado esse custo em seu processo de produção e as demissões voltaram a ser banalizadas no Brasil.

Em qualquer lugar do mundo, as demissões só começam a ocorrer após um ano ou mais de crise, porque é caro demitir.

Aqui, as demissões são a primeira medida adotada pelas empresas porque é barato demitir. A redução de jornada e de salários, é comentada até em novela da Globo.

Qual a posição do Sindicato diante disso?

O Sindicato não é contra a redução da jornada e dos salários por ideologia. Somos contra porque é uma solução economicamente inviável para o Brasil. Esse mecanismo é importante na Europa ou nos Estados Unidos, onde o padrão de vida dos trabalhadores é elevado e o impacto sobre quem sofre uma redução de 10% ou 20% do salário é fazer menos viagens ao exterior ou diminuir o número de idas ao restaurante.

Mesmo assim, é uma medida adotada apenas em último caso. No Brasil, onde 70% dos trabalhadores recebem até dois salários mínimos, quem sofre uma redução dos mesmos 10% ou 20% no salário precisa deixar de comprar comida, comprar remédios ou de pagar o aluguel, entre outras restrições. Isso é socialmente inaceitável.

O que fazer, então?

O País precisa definir uma política para enfrentar crises, uma política que permita proteger os empregos sem reduzir os salários. Já existem alternativas que podem ser adotadas, como férias, licença remunerada e banco de horas, entre outras. É necessário que os empresários comecem a arcar com parte dos custos por um determinado período e parem de transferir tudo para as costas dos trabalhadores ou do Estado.

Na Alemanha, o movimento sindical está reivindicando a criação de um imposto sobre grandes fortunas para conseguir recursos que apóiem projetos sociais destinados aos pobres e aos desempregados. Já é tempo de acabar com atitudes como as do presidente da Vale do Rio Doce, Roger Agnelli, que demitiu trabalhadores e diminuiu salários, ao mesmo tempo em que anunciava lucros de R$ 14 bilhões na empresa que dirige.

Nesse quadro, quais seriam as perspectivas para a categoria?

Já superamos crises piores e vamos vencer essa também. Em 1990 enfrentamos com sucesso o desafio das demissões e da falta de crescimento econômico provocado pelas políticas neoliberais. Usaremos agora as mesmas armas que naquela ocasião: solidariedade, organização, capacidade de luta e de negociação.

Por isso é fundamental que os metalúrgicos do ABC continuem prestando toda sua solidariedade aos companheiros na TRW e que estejam preparados, porque, onde houver demissão arbitrária, a resposta terá de ser dura.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Brasil Metal Diário é o boletim eletrônico da Assessoria de Imprensa da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT. O SindLab é parte da estrutura do Laboratório Industrial Sindical Mercosul – União Européia, uma iniciativa dos sindicatos metalúrgicos do Cone Sul e da Europa. / Web

A CNM/CUT possui 96 Sindicatos de Trabalhadores/as Metalúrgicos/as filiados integrados a 7 Federações Estaduais ou Interestaduais de Metalúrgicos/as. Para consultar a lista de Federações e Sindicatos por estado clique no mapa abaixo: http://www.cnmcut.org.br/contFederacoes.asp / Valter Sanches es el Secretario General de la CNM-CUT.