Bufete de Informaciones Especiales y Noticias
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS (CNM/CUT) - BRASIL

Timóteo: trabalhadores repudiam proposta de reduzir salários na ArcelorMittal

Em nova assembleia convocada pelos Sindicatos dos Metalúrgicos de Timóteo e Cel. Fabriciano (METASITA), os trabalhadores na ArcelorMittal Inox Brasil voltaram a rejeitar a proposta da empresa de reduzir os salários e a jornada em 13,1%.

Informaciones de la CNM/CUT editadas en Rebanadas:

Rebanadas de Realidad - Brasil Metal Diário, São Paulo, 11/05/09.- Inicialmente a proposta da empresa afetava os trabalhadores de nível operacional e manutenção. Diante da rejeição a empresa alterou a proposta estendendo a redução dos salários e da jornada para o restante dos trabalhadores da fábrica. Nova assembléia, nova rejeição.

Está agendada para a próxima quinta-feira (14), às 13h30 uma audiência de conciliação no TRT/BH fruto de um Dissídio Coletivo de natureza jurídica impetrado pelo METASITA.

Entenda o caso

No dia 7 de maio, metalúrgicos disseram não à ArcelorMittal

Imprensa Metasita

Proposta de novo PDV, que foi negada pela empresa no último dia 24, será discutida novamente no dia 14.

A ArcelorMittal Inox Brasil (antiga Acesita) fez uma proposta de redução dos salários e da jornada de trabalho de todos os empregados. Esta proposta foi rejeitada na primeira vez em assembleias relizadas no dia 7 de maio pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Timóteo e Coronel Fabriciano (Metasita), em quatro turnos. Na ocasião, 95,5% dos 547 votos registrados foram contrários à proposta da empresa.

Os metalúrgicos querem que, em vez dos cortes, seja iniciado um novo Plano de Demissão Voluntária (PDV), a exemplo do que foi feito no início do ano para o setor administrativo.

A proposta de novo PDV, que foi negada pela empresa no último dia 24, será discutida novamente em uma audiência marcada para o próximo dia 14, às 13h30, na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Belo Horizonte.

Economia

O presidente do Metasita, Carlos Vasconcelos atribuiu o grande número de faltosos à audiência no TRT. "O número foi bem abaixo da expectativa, mas de certa forma já contávamos com isso, porque os trabalhadores esperam mesmo é pelo resultado da audiência", justificou.

A proposta inicial da ArcelorMittal era de um acordo coletivo especial para redução da jornada e do salário de 1.733 trabalhadores do setor operacional. Mas, no dia 24 de abril, a empresa publicou em um boletim interno que o acordo afetaria todos os 2.797 funcionários da siderúrgica de Timóteo.

O Metasita, porém, insiste que a melhor alternativa no momento é um novo PDV. Segundo Carlos Vasconcelos, essa solução agradaria às duas partes. "A negativa dos trabalhadores vem fortalecer nossa luta para defender os seus direitos. Muitos têm interesse em se desligar da empresa, então, que se abra o PDV para uma economia permanente, e não transitória como a empresa quer", afirmou o sindicalista.

Contramão

Vasconcelos alega que a redução de salários não trará tanta economia para a empresa. "Em 2007 e 2008 a Arcelor já havia reduzido despesa com folha de pagamento, o que gerou economia de apenas 3%. Já temos histórico de redução, agora querem promover outra. Não faz sentido", argumentou o presidente do Metasita.

A proposta da ArcelorMittal, conforme Vasconcelos, "não condiz com o momento atual da empresa", que caminha para a retomada de 70% da capacidade de produção em relação a 2008, considerado o melhor ano da siderurgia. "Os trabalhadores já estão retomando a jornada, folgando de acordo com a sua escala. A carteira de inox aumentou. Entendemos que a proposta é inoportuna. Está fora de época, na contramão do que conjuntura nacional mostra", questiona o sindicalista.

Rejeição

No seu informativo interno, intitulado "Sintonia", a empresa afirma que a proposta de cortes foi ampliada "com base no clamor dos próprios funcionários". Porém, de acordo com Vasconcelos, "essa postura da empresa causou indignação entre os metalúrgicos".

"Isso fez aumentar o percentual de rejeição dos empregados. Os que não estavam sendo penalizados eram solidários aos outros. Agora o clima é de total rejeição. Percebemos nas portarias que os trabalhadores não aceitam discutir redução de salários, porque são testemunhas da retomada de produção. O clima é de total insatisfação", criticou.

Na opinião do presidente do Metasita, a proposta da empresa visa, na verdade, uma flexibilização dos diretos trabalhistas. "Não é simplesmente reduzir salário. A vida financeira do trabalhador fica comprometida. Percebemos uma flexibilização dos diretos trabalhistas, e a empresa usa esse momento de forma oportunista para impor ao trabalhador essa causa e fazer com que ele não discuta o que deve ser conquistado, e sim a retirada de seus diretos", concluiu Vasconcelos.

Fonte: Metasita

Brasil Metal Diário é o boletim eletrônico da Assessoria de Imprensa da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT. O SindLab é parte da estrutura do Laboratório Industrial Sindical Mercosul – União Européia, uma iniciativa dos sindicatos metalúrgicos do Cone Sul e da Europa. / Web

A CNM/CUT possui 96 Sindicatos de Trabalhadores/as Metalúrgicos/as filiados integrados a 7 Federações Estaduais ou Interestaduais de Metalúrgicos/as. Para consultar a lista de Federações e Sindicatos por estado clique no mapa abaixo: http://www.cnmcut.org.br/contFederacoes.asp / Valter Sanches es el Secretario General de la CNM-CUT.